Dicas para incluir a autovistoria no orçamento do seu condomínio

Não está conseguindo regularizar seu edifício? Está cansado de taxa extra? Você não é o único!

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro tornou obrigatória a realização da autovistoria predial em 2013 com a Lei Complementar Municipal n 126/2013, também conhecida como Lei da Autovistoria. E agora, em 2018, a lei completa 5 anos em vigor. Logo, quem realizou o procedimento no inicio da vigência terá que fazê-lo novamente.

A vistoria obrigatória deve ser realizada em edificações comerciais e residenciais de três pavimentos ou mais. Apesar do longo período em vigor, apenas metade dos imóveis que deveriam ter cumprido a autovistoria o fizeram.

Vale ressaltar que dados como esse estão diretamente relacionados com o alto custo desse tipo de serviço. Porém, é de extrema importância que os condomínios se adequem e adotem medidas que os resguardem de custos maiores como multas, por exemplo.

Visto isso, fizemos uma lista com 4 dicas para ajuda-los nesse processo.

1 – Reduzir as despesas do condomínio

Por conta da necessidade de realizar um projeto que zela principalmente pelas condições de conservação, estabilidade e segurança dos edifícios, o corte de gastos torna-se praticamente um processo simultâneo para quem quer fugir das cotas extras. A individualização de água e gás e o aproveitamento de água de chuva são exemplos de como os custos podem ser diminuídos. Além disso, quando há a redução de despesas no condomínio, o índice de inadimplências também reduz.

2. Montar um planejamento financeiro

Mas o que seria um isso? Planejamento financeiro como o próprio nome diz, é um planejamento em relação ao fluxo de caixa, ou seja, sua receita e custos. O principal objetivo dessa ferramenta é projetar a situação financeira do condomínio, nesse caso. Uma ótima forma de organizar esses dados é estruturando planilhas que especifiquem o valor que se planeja gastar e o valor real gasto mensalmente. Dessa forma, é possível definir o valor disponível no caixa e direcioná-lo para o investimento necessário.

3. Negociar a forma de pagamento

Um excelente meio de conseguir desconto na hora de fechar negócio é analisar a forma de pagamento. A melhor maneira de conseguir essa redução no preço é sem dúvidas o pagamento a vista! Por isso, o planejamento financeiro é extremamente importante para viabilizar ações como essa apenas de forma segura. Entretanto, existem outras formas de pagamento mais flexíveis, o pagamento a prazo é uma delas. Nessa situação, somente as parcelas sem juros são recomendadas.

4. Pesquisar empresas com baixo custo

Por fim, a dica mais objetiva: pesquise preço. É muito importante que você faça uma análise de pelos menos três empresas que ofereçam o serviço que você deseja. Uma alternativa excelente para casos como esse, onde os custos são muito altos, é procurar Empresas Juniores. Essas empresas oferecem serviços de alta qualidade com um preço muito acessível devido o fato delas serem associações sem fins lucrativos. Logo, os projetos são precificados para cobrir apenas gastos.

Visto todas as dicas, vale ressaltar o objetivo maior por trás de todo esse planejamento e pesquisa: a segurança e legalidade da sua residência. Um assunto sério como esse jamais pode ser tratado com descaso.